Tenha mais tempo para curtir quem você ama

Este post mistura um pouquinho de um desabafo pessoal, e também dicas para que você possa se organizar e aproveitar melhor sua família.

Eu fui abençoada com um pai maravilhoso e muito presente. Quando eu era pequena, mesmo tendo babá, ele fazia questão de me dar banho quando chegava do trabalho. Sempre participava das minhas atividades, me orientava, me levava para passear e viajar.

Tanto que fazíamos duas viagens por ano. Em dezembro e janeiro ia a família toda: eu, ele e minha mãe. Em julho, só nós dois. A mais marcante foi quando eu tinha 7 anos e pegamos um trailer para fazer o litoral paulista. Todos achavam lindo ele entrar correndo no vestiário do camping para ligar o chuveiro pra mim.


Sempre que estávamos juntos ele fazia questão de me ensinar sobre vários assuntos. Era muito inteligente e íntegro. Aprendi bastante com ele, e hoje sou quem sou por causa dele.

Mas sabe como é adolescente, não queria “perder tempo” com esses ensinamentos da vida, essas coisas um pouco mais profundas. Iria aprender isso, e principalmente a parte profissional e financeira, quando chegasse a hora.

Só que a hora dele chegou antes da minha hora de prestar total atenção a tudo que me ensinava. Quando eu tinha 17 anos ele faleceu.

Lógico que aprendi muito sobre caráter e princípios de vida, mas tinha tanta coisa a mais para aprender, tanta coisa a mais para vivenciar…


Aí veio o arrependimento de não ter curtido melhor sua companhia, de muitas vezes ter dito “depois a gente conversa”, “não precisamos fazer as refeições juntos”.

Não que devemos abrir mão de todas as outras coisas para ficarmos grudados. Mas troquei isso por coisas tão bobas e vazias…

Apenas 6 meses antes de falecer tinha me levado para trabalhar com ele no escritório de advocacia. Era também economista e muito empreendedor. Na época achava meio chato o assunto, apesar de gostar e achar importante.


Ele tinha tanto a ensinar. E depois que ele faleceu, me emancipei e fiquei com toda a parte burocrática para resolver e vi que tinha deixado passar oportunidades de aprender. Não sei se ele já intuía que estava para nos deixar, ou se só sabia que um dia na vida eu precisaria saber.

Que falta me fez prestar atenção… E principalmente que falta me faz sua presença, seu abraço, suas palavras.

Quantas vezes ainda peço conselhos pro meu pai, esteja ele onde estiver, e espero que a resposta venha num sonho, numa intuição… Pai, como se resolve isso? Pai, tem certeza que essa dor vai passar?

Quando eu tinha algum problema, era ele a quem eu recorria. Em tudo. De tarefa de casa a briga com namorado. E mesmo quando eu não perguntava nada, ele sabia magicamente o que estava acontecendo e vinha me dar um conselho.

Então a minha dica é essa: aproveite, sempre, a oportunidade de estar, de verdade, com a sua família e com quem você ama. Esteja junto, escute, aprenda, troque carinho, diga o quanto ama. Não sabemos quanto tempo teremos juntos.


Mas, como fazer isso numa rotina cada vez mais corrida?

  • Primeiramente, saiba eleger suas prioridades:

– Delegue o que outra pessoa pode fazer. É impossível sabermos tudo e fazermos tudo com excelência. Você vai demorar mais fazendo coisas que não sabe bem ou não gosta de fazer. Passe essas atividades para outra pessoa que possa fazer e use o tempo que vai te sobrar para fazer algo que goste e seja importante para você.

– Tudo bem às vezes dizer não para atividades que não são importantes. Você não precisa cuidar de tudo e abraçar o mundo. Dizer sim para tudo faz com que não tenha tempo para dizer sim para suas prioridades.

Algumas formas de dizer não sem se sentir culpada:

“Obrigada por confiar isso a mim, mas no momento estou com outras prioridades e não posso assumir isso”.

“Desculpe, estou no meio de uma tarefa importante. Podemos nos falar tal hora”? Mas realmente entre em contato no momento combinado. Nada pior do que prometer e não cumprir. E a pessoa também verá que não ajudou porque não podia naquele momento.

“Você já tentou pesquisar isso na internet ou no livro tal? Ou então com o fulano que entende disso também”? Assim você está oferecendo outras opções que podem ajudar e não simplesmente negando. E dá à pessoa a oportunidade de aprender ou se aprimorar no assunto.

Em um próximo post falarei mais sobre porque nos sentimos tão mal em dizer não.

  • Quando estiver reunida em família, se dedique totalmente em estar ali. Não fique pensando na tarefa que devia estar executando. Afinal, não vai conseguir fazer direito nem uma e nem outra. Quando chegar para fazer se dedique totalmente à tarefa.

Às vezes, quando desfocamos de um problema, a solução vem como um insight, numa conversa com outras pessoas, de algo que você viu, ou do nada mesmo.

  • As crianças também podem aprender sobre trabalho, finanças e relacionamentos. É de pequeno que se aprende a base da vida. A didática aplicada deve ser coerente com cada idade, a fim de que se possa obter o aprendizado. Principalmente no caso de perder os pais mais cedo do que o desejado.

Espero que esta reflexão e as dicas ajudem nas escolhas das suas prioridades, e que você aproveite cada vez mais os momentos que te fazem feliz!

#familia #tempo #SuzanaDias #amor

Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • Cinza ícone do YouTube
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

© 2018 por Suzana Dias. Todos os direitos reservados.